10 de abr de 2012

Adversidades

Eu não queria... mas,
Do perfume em nossa cama,
A lembrança, exalavas
De quem, já cedo, desama.

Eu não queria... porém,
Cupido estava em festa,
Da qual o amor advém,
E em peito-pedra encrespa.

Eu não queria... contudo,
Trago flores vermelhas na mala,
E num ritmo dissoluto,
Tento, lágrima, enxugá-la.

Eu não queria... todavia,
Uso desse meu rancor
Para, contínua e sempre fria,
Tornar a noite um sobrepor.

Eu não queria... no entanto,
Em dias, sem sua mão,
Nuvens negras, novamente, planto,
Enquanto luz e amor se vão.

Eu não queria... entretanto,
Gasto, contigo, palavras...
Enquanto em versos relanço
Lembranças que na cama exalas.

Um comentário:

  1. Algumas vezes não somos donos do nosso querer, mas o legal de traduzir em versos as situações que vivenciamos é que parece até uma tentativa de compreende-las melhor, né?!

    ResponderExcluir