28 de mar de 2012

Menos um pouco de alegria...

Entre o imponente contemporâneo
(Tomado emprestado o teor de suas vozes)
Transpassaram o segundo plano
Verdadeiros políticos ferozes.

Se densa faz-se a escrita dos versos
Motivo encontra no sofrimento contido
De que não se podem negar tropeços
De um após outro pranto caído.

Um, que múltiplo, fez-se complemento,
Dos que, simples, revivem, presente, reprises.
Outro, que múltiplo, fez-se tormento,
Dos seres dos desmandos, sem diretrizes.

Por que deixa a noite sem brilho,
Chico Anysio?
Por que deixa a manhã sem humor,
Millôr?

__ Porque não deves julgar asperezas!
Fosses tu em nossa condição,
As decisões seriam as mesmas.

__ Por que não importa o corpo que é só Não!
Importa a Arte, que ressuscita!

Assim vem o sono, nostalgia,
Menos um pouco de alegria...

Um comentário: