10 de mai de 2012

ju et cetera

Não guardo raiva, eu guardo nomes.
Eu tenho pseudos sentimentos com os homens.

Eu falo desculpas, vou com o sentimento de outros.
Desperto sorrisos e agouros.

Faz sentido... eu gosto de contos...
Mas sem pôr, em minha fala, pontos.

Sou gentil, converso bem.

Detesto gente partidária,
que fecha a boca à crítica (mortalha).

Eu amo noite, rima pobre, falar asneiras.
E dou bote. Conselheira.

Sou dele, pele e abraço em ilha deserta.
Sou deles, plural macho e fêmea, desperta.

Um comentário:

  1. Lindissimo poema. Amei, amigo. Obrigada pela homenagem! :D

    ResponderExcluir