19 de jul de 2012

Oração


Sem sabor de café quente,
quando aperta o coração,
e as mãos tremem de receio,
o pensamento da gente
se refaz em oração
de ladainhas sem freio.

Da juventude volta a antiga
emoção de crer em Deus
e se exalta de joelhos
enquanto dos olhos pinga
lágrima de filhos seus.

Perdoa, Pai, pelas vezes,
que quieto no meu canto,
no pensar na minha vida,
esquecia todos os seres,
que derramam tanto pranto,
e que não veem saída.

Há sempre algo escondido
para a inquieta razão,
que ainda prevalece.
Porém, eu fico Contigo,
já sorrindo, em oração,
pelo amor de que não esquece.

A Seus pés e mãos chagados,
a Seu olhar de dor suprema,
à imagem da Santa Cruz,
ergo olhos marejados
e uma fé grande e serena
e peço, Deus, me conduz!


Um comentário: